Páginas

13 de ago de 2010

Regras para escrever corretamente




Ortografia

Não sabe como escrever uma palavra? É com S ou com Z? Para esse tipo de dúvida, tão comum em português, deve-se entender que a língua tem, basicamente, dois sistemas de escrita: regular e irregular.
Muitas vezes, as grafias não podem ser explicadas por nenhuma regra, pois é a origem da palavra ou a tradição de uso que justificam a forma de escrever. Por exemplo, a palavra "hoje" é escrita com "h" devido à etimologia do termo, pois a forma latina é "hodie".
Em outras situações, no entanto, é possível prever a grafia, porque se pode "adivinhar" sua forma. Por exemplo: a palavra "português", que é escrita com "s" e não com "z". Logo, as outras palavras do mesmo grupo, como "francês", "japonês" ou "norueguês", são também escritas assim, com S!


Os adjetivos que indicam lugar de origem são escritos com "s" e não com "z". Verifique: português, portuguesa, portugueses, portuguesas, francês, francesa, franceses, francesas, norueguês, norueguesa, noruegueses, norueguesas, finlandês, finlandesa, finlandeses, japonês, japonesa, japoneses, japonesas... Amplie a lista e confirme a regra! 
Veja mais exemplos na tabela a seguir. Vamos mostrar primeiro exemplos de casos irregulares. 
Dúvida
Grafia correta
Justificativa
Como saber?
“Homem”
ou “omem”?
HomemA origem da palavra é latina:
“ homine”, com “h”.
Memorizar ou consultar
dicionário
“Casa”
ou “caza”?
CasaA origem da palavra é latina:
“ casa”.
memorizar ou consultar
dicionário


Observe agora casos regulares que se aplicam a substantivos e adjetivos. 
“Firmesa” ou
“ firmeza”?
Firmeza
Nos substantivos que derivam
de adjetivos, o final da palavra
(sufixo) é “esa”: firme/firmeza.
Levantar outros casos que
confirmam a regra:
belo/beleza,
bonito/boniteza,
pobre/pobreza,
rico/riqueza.
“Famoso”
ou “famozo”?
FamosoAdjetivos com o sufixo “oso” escrevem-se com “s”.Lembrar de outros casos:
gostoso/ dengoso/
oleoso/ saboroso.
“Chatice”
ou “chatisse”?
ChaticeSubstantivos com terminação
“ ice” escrevem-se com “c”.
Lembrar de outros casos:
doidice/meninice.


Para grafar corretamente os verbos também podemos recorrer às regularidades.
“Falou”, “falol”
ou “falô”?
Falou
Verbos no passado, na terceira pessoa do singular, terminam em “ou”.
Em posição final de
palavra ou sílaba, o “u” e
o “l” concorrem. O verbo no passado, na terceira pessoa do singular, tem a terminação em “u”.
“Cantaram” ou
“cantarão”?
As duas formas podem estar corretas.As duas formas estão na terceira pessoa do plural, mas cada uma indica um tempo verbal diferente.No presente (“cantam”) ou no passado(“cantaram”), escreve-se com “m” no final. No futuro
(“cantarão”), a nasalidade é marcada com “ão”.
“Falar” ou “falá”?FalarVerbo no infinitivoO nome dos verbos são escritos sempre
com “r” final.
“Pedisse” ou “pedice”?PedisseVerbo no modo subjuntivo
(que indica hipótese) tem a forma “isse”.
O sufixo “ice” é para
substantivo (“chatice”) e a terminação “isse” é para verbo.


Para finalizar, vamos pensar nos casos de regularidades contextuais. Mas o que é isso, afinal? Vejamos um bom exemplo. Quando o som é nasal, na escrita podemos indicá-lo de diversas maneiras: "camponês", "canto", "anã", "linha". 
A regularidade é chamada de contextual porque depende da posição da letra na palavra ou sílaba. No caso da nasalização, analise a tabela a seguir. 
Ocorrência de nasalização
Regularidades
homem, tatuagem, homenagem, triagem,
tiragem, amém, também, ninguém
Em posição final de palavra, a nasalização do ditongo /ei/ é marcada na escrita com “m”.
banda, cantar, andou, brincava, mansa
camponês, também
Em posição final de sílaba, a nasalização é marcada com “n”.
Atenção: antes das letras “p” e “b”, o som nasal é representado por “m” e não “n”.
anã, manhã, sã, vilã,Em posição final, a vogal nasal é marcada com til.
linha, galinha, minha, tinha, latinha
O dígrafo “nh” também é marca de nasalidade (representa um fonema consonantal nasal).


Então? Não é bom constatar que sabemos mais do que imaginávamos? É bem produtiva a compreensão das regularidades do sistema de escrita, não é verdade? Se descobrirmos o princípio que gera uma grafia, podemos inferir muitas outras formas relativas ao mesmo princípio... A nossa memória agradece! 
*Alfredina Nery Professora universitária, consultora pedagógica e docente de cursos de formação continuada para professores na área de língua/linguagem/leitura.




1 comentários:

nanny disse...

ser professor é uma dádiva que não é para qualquer um,por isso saibamos que ninguém ensina ninguém(Paulo freire),o professor deve ser compreensivo,respeitar,compartilhar buscas para soluções,etc...

Postar um comentário